Imagens de Alfama

Incendio em Alfama

Houve um incêndio em Alfama, no dia 15 de Janeiro de 2008 onde doze pessoas tiveram de ser realojadas. Do incêndio que deflagrou no número 22 do Beco das Cruzes, 11 viviam no prédio atingido pelas chamas e o 12º habitava num edifício da Rua Castelo Picão, cuja cobertura foi também afectada pelo fogo. Do incidente resultou um ferido ligeiro, um bombeiro que sofreu uma queimadura num ombro. O incêndio começou pouco antes das 11 horas, no terceiro andar do número 22, tendo sido dado como extinto minutos antes das 12.30 horas. O piso ardeu por completo e as chamas acabaram também por atingir a cobertura do edifício, que foi consumida. O regresso dos moradores ao prédio teve de ser vedado, uma vez que a chaminé ficou em risco de colapso interno.
Tal situação vem demonstrar que, devido à constituição dos prédios e das ruas de Alfama, foi uma sorte que o mesmo tenha ficado apenas neste prédio e não tenha alastrado ao bairro. Talvez porque ocorreu durante o dia, talvez porque foi socorrido a tempo, talvez por sorte.

O bairro necessita de ter Bocas de incêndio preparadas e que as obras de reconstituição do bairro terminem o estreitamento das ruas, que, por si só, já são estreitas.

Esperemos, por ultimo, que as obras de reconstituição do prédio e o tempo que os moradores vão ficar longe do bairro não os afaste em definitivo.


6 comentários:

Tiago R. disse...

Em todo o caso, disseram-me que os bombeiros demorarm 20 ou 25 minutos porque se perderam (!!!) o que é injustificável!
Se não conhecem o bairro façam simulacros, como lhes compete.

O fogo só não alastrou (dizem-me) porque houve uma primeira intervenção de trabalhadores de obras próximas que utilizaram as bocas de incêndio, mesmo sem terem formação para isso.

Também me disseram que, ao contrário da Presidente e Tesoureiro da JF Santo Estêvão, o Presidente da JF S. Miguel só apareceu algumas horas depois do ocorrido. Diferenças...

É caso para dizer que só admira é que não haja mais tragédias destas...

lanka4earth disse...

Consta também que o prédio se encontrava muito degradado, tendo sido dado ordem de despejo mas que ninguém cumpriu nem fiscalizou.. e que lá vivia também um sem-abrigo.
Nessas condições se encontra grande parte do património de Alfama, e isso não está a preocupar ninguém, nem mesmo os pobres habitantes descrentes e desmoralizados, já imunes à degradação , nem a câmara de Lisboa, preocupada com obras mais visíveis, e ainda menos o presidente da junta..

891 disse...

Senhor Tiago R.

Nao sei se o senhor é morador no bairro de alfama, mas efectivamente se é morador e se verificou que os Bombeiros demoraram a chegar, tambem deve ter-se apercebido que as viaturas de socorro, nomeadamente de combate a incendio e serviço de emergencia pre-hospitalar tardaram a chegar ao teatro de operaçoes devido as viaturas mal estacionadas nas ruas do referido bairro.

Estarei atento ao site para ler a sua resposta.

obrigado

Tiago R. disse...

Acredito que sim e não me admiro.

A falta de fiscalização dentro da área condicionada retira toda a eficácia ao condicionamento do trânsito.

É incrível que haja pessoas no bairro que defendem que o condicionamento devia acabar!

Helder Gomes Silva disse...

Acho que os comentários que foram colocados têm o meu total acordo. E não são contraditórios.
Considero que os bombeiros deviam tem mais conhecimento do Bairro, pois ele é um barril de polvora que com o passar dos anos e com o arrastar das obras está em vias de explodir.
Por outro lado, o condicionamento de entradas dos veiculos não é suficiente para que estes fiquem bem estacionados. Acresce que devia haver senhores da emel a verificarem se es veiculo que entram no bairro, que não os dos moradores, são só para cargas e descargas. deixando entrar, em complemento, mais veiculos para estas funções. Como deviam multar os veiculos dentro do bairro mal estacionados.
Não pode ser só nas entradas e saidas que se controla os veiculos automóveis. Tem de ser em todo o bairro.

Alexandra Sofia Maia disse...

Olá a todos, sou uma recente moradora de Alfama e digo desde já que me irrita muito ter de pagar parquímetro para estacionar o meu carro, ou ter de perder tardes de trabalho a solicitar a alteração da morada em todos os meus documentos para ter um lugar de estacionamento gratuito longe da zona de onde habito. Não se esqueçam que a função da Emel não é garantir o normal funcionamento das vias de circulação, nem garantir que as mesmas tenham características que permitam uma evacuação rápida, mas sim, como o bom português diz, "sacar a nota"...
Se os estacionamentos existentes não fossem cobrados, qualquer pessoa preferiria não ter de estacionar num lugar minúsculo em frente à sua porta, e talvez deixasse o carro num sítio com maiores condições (espaço de manobra)embora um pouco mais longe de casa...
Onde já se viu ter de pagar para estacinar? estamos a alugar o espaço? não será isso um direito de todos????

Acerca de mim