Imagens de Alfama

Marchas avançam mas também sentem a crise


Já começou a contagem decrescente para as Marchas Populares das Festas de Lisboa.
Em 23 bairros, os ensaios decorrem há várias semanas. Regressam as rivalidades. Este ano com queixas da crise, que afecta os apoios.
Desde o início de Maio que o povo se concentra, cinco noites por semana, no interior do Centro Cultural Magalhães Lima, em Alfama, para duas horas de ensaio. Tal como nos outros bairros, a tradição é encarada com seriedade. Nos dias 5, 6 e 7 de Junho está anunciada a apresentação das marchas populares a concurso no Pavilhão Atlântico. Na noite de Santo António, a 12, o auge da celebração enche a Avenida da Liberdade. E ninguém quer fazer figura triste.
"Todos os bairros levam isto muito a sério", diz, ao JN, Carlos Mendonça, figura de proa da Marcha de Alfama já lá vão duas décadas. À sua frente, no pavilhão, 25 rapazes e 25 raparigas - "a grande maioria tem entre 18 e 20 anos" - dançam e cantam com uma sincronia assinalável. Sem as vestimentas típicas das marchas, são rapazes como muitos outros, cheios de pinta, penteado "à Cristiano Ronaldo", um ou outro brinco na orelha. E não andam ali a brincar. "São marchantes muito responsáveis que nunca faltam aos ensaios. Há uma disciplina aplicada ao trabalho", elogia Carlos Mendonça.
A grande dificuldade em erguer uma Marcha Popular passa por outras razões. "Não falo só por mim, falo por todas as marchas: a nossa dificuldade é o dinheiro", assume o responsável de Alfama.
Em tempos de crise, os tempos não estão fáceis. "Sim, isto agora anda pior", afirma, por seu turno, Mário Monteiro, presidente da colectividade Esperança Atlético Clube e coordenador da Marcha da Madragoa. "Temos um subsídio da Câmara e da Junta", diz, "mas isso mal dá para fazer a marcha".
O JN soube que a Câmara Municipal de Lisboa tem vindo a atribuir nos últimos três anos um subsídio anual de 30 mil euros para cada uma das marchas. A partir daí, cabe a cada bairro gerir e angariar apoios nas Juntas ou patrocínios em empresas. Mas em altura de crise, as portas fecham-se cada vez mais. "Sentimos que há muita gente que não pode dar apoio este ano porque as coisas andam mal", corrobora Ana Marques, coordenadora da Marcha de Marvila. "Mesmo assim", prossegue, "sempre vão existindo algumas empresas que nos ajudam".
A rivalidade entre alguns bairros é histórica. "A rivalidade que há no futebol com o Benfica e o Sporting também existe nas marchas entre Alfama e Marvila", explica-nos Ana Marques. "Nós já fomos injustiçados por não sermos um bairro tão conhecido como Alfama", acusa. O responsável da Madragoa subscreve as críticas. Diz que "Lisboa não é só um bairro mas a imprensa vira-se toda para Alfama". Carlos Mendonça, responsável por 12 vitórias de Alfama em 20 anos.


In Jornal de Noticias por CRISTIANO PEREIRA

Nota do Blogger: Alfama é o bairro que mais ganhou, não por ser conhecido, pois se assim fosse, existia dinheiro para terminar as obras que se arrastam à décadas e para fazer tudo o que lhe falta. Alfama tem ganho pois é a melhor e a mais profissional.

Sem comentários:

Acerca de mim