Imagens de Alfama

Panteão Nacional e Obras de Santa Engracia

Fundada em 1568 por iniciativa da Infanta D. Maria, filha de D. Manuel I, figura ímpar do Humanismo português, aquando da criação da nova freguesia de Santa Engrácia por breve do Papa Pio V, a primitiva igreja foi construída pelo arquitecto Nicolau de Frias, segundo traças aprovadas pelo Arcebispo D. Jorge de Almeida. Nada resta deste templo, que em 1630 foi alvo de um roubo sacrílego e, de seguida, de obras de reconstrução da capela-mor, a cargo de Mateus do Couto (Sobrinho), capela essa que viria a ruir em 1681, o que obrigou a mesa da Confraria dos Escravos do Santíssimo Sacramento, formada por nobres e poderosos, a erigir uma nova e mais sumptuosa igreja. Feito concurso em 1683 para estudo do melhor projecto, foi este ganho pelo arquitecto João Antunes (1642-1712), que dirigirá a primeira fase da construção. O risco de Antunes, tira partido da desafogada situação paisagística do sítio, a meio da encosta defronte do Tejo, e constitui a primeira obra de claro figurino barroco no panorama arquitectónico nacional. O modelo é centralizado, de vastas proporções, definindo uma cruz grega de flancos sinuosos, com associação de quatro torreões-bloco, numa longínqua evocação de San Pietro in Montorio e San Satiro em Milão, de Donato Bramante, e com influências de Guarini (fachada do palazzo Cornaro), acrescido de riquíssimo ornamento mosaicista.
O templo, mostra um desenho encurvado dos braços da cruz grega, formando absides que se articulam com o pano murário rectilíneo dos torreões e criam um efeito espacial único, tirando partido da parede-ondulante, tal como as igrejas e palácios romanos e parisienses do século XVII. O portal mostra quatro colunas espiraladas de pedra rósea, com capitéis compósitos e remate de baixo-relevo com a padroeira.
À morte de João Antunes a igreja estava longe de acabada, sendo as obras dirigidas por Manuel do Couto (que cerra a abóbada central) e Santos Pacheco, com intervenções do cônsul-arquitecto Antoine Duverger, até sofrer os efeitos do terramoto. Tais vicissitudes levaram a que as obras só fossem acabadas em meados do século XX (já como Panteão Nacional, criado em 1916), pelos arquitectos da Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (Raul Lino, Lyster Franco), sem término das torres e com adjacência de uma abóbada com lanternim, demasiado desproporcionada para a sólida estrutura espacial definida no projecto barroco de Antunes. Mesmo com tais adições, que os atrasos impuseram, houve respeito pela traça aprovada no concurso de 1683, deixando incólume a novidade estrutural daquela que é a primeira igreja portuguesa verdadeiramente barroca

Esta Igreja foi construída no local de uma outra antiga igreja paroquial e construído em honra de Santa Engrácia . Como as alterações e as construções que sofreu ao longo dos tempos, estas obras converteram-se na expressão popular daquilo que não tem fim.
A lenda referente a esta Igreja está ligada a um jovem que foi condenado à fogueira pela Inquisição a 3 de Fevereiro de 1631. Junto destas tão conhecidas obras existia o Convento de Santa Clara e diz-se que uma freira se enamorou por um jovem de seu nome Simão Pires Solis. Tão grande era o amor deles que todas as noites o rapaz vinha ter ao convento para se encontrar ás escondidas com a amada. Uma noite, o Sacrário com as hóstias foi roubado do convento e, embora estivesse inocente, Simão Solis foi denunciado pela vizinhança à Inquisição. Simão foi condenado à fogueira sem pena nem piedade. Quando ia a caminho do seu destino e ao passar pelas obras da Igreja de Santa Engrácia disse: “Morro inocente! É tão certo eu estar inocente como é certo que aquelas obras nunca se acabem!” Desde então ( século XVII) que as obras de Santa Engrácia se tornaram difíceis de terminar. Quando estavam quase concluídas as obras, a cúpula ruiu, dificuldades técnicas impediram o retorno das obras. Após o terramoto de 1755 tentou-se novamente a sua reconstrução mas só no século XX é que as obras se deram por terminadas fazendo-se uma cobertura metálica.
No entanto elas terminaram, mas como demoraram muito ficamos sem saber se era inocente ou não. Lendas da nossa cidade.

Sem comentários:

Arquivo do blogue

Acerca de mim